Máquinas

Segundo a lógica capitalista, a riqueza provém da exploração da mão de obra. O lucro - finalidade principal do capitalismo – cresce à medida que mais se explora a força humana. Infere-se, a partir daí, a concepção marxista de reificação, segundo a qual o trabalhador – detentor dessa força matriz – é transformado em um objeto, um mero meio de uso e um grupo dominante – para atingir um objetivo. Como uma máquina, será alimentado por um combustível – salários insuficientes e desproporcionais, porém necessários à sua sobrevivência – estará submetido a total controle de terceiros, perdendo sua autonomia e até mesmo sua condição humana.

A exploração da força de trabalho origina-se da conjunção de fatores: a necessidade de indivíduos por um meio de subsistência – um salário, qualquer que seja seu valor - e a demanda do capitalista pela sua fonte de riqueza – mão de obra numerosa e barata. No Brasil, assumindo a posição dos primeiros, imigrantes bolivianos e peruanos vivem no país em total condição de desamparo. É nesse cenário que o trabalho, mesmo que se apresente como altamente abusivo, mostra-se como alternativa razoável e única para que esse grupo se mantenha no país. Enquanto não houver condições para adequados estabelecimentos de estrangeiros e enquanto a demanda por meios de subsistência existir, seja para brasileiros ou imigrantes, ainda haverá empregadores que tirem proveito de tal situação e proporcionem empregos a quem necessita, ainda que seja em regime vexatório. Nesse panorama, como fornecedor dessa remuneração ao seu trabalhador, o capitalista oferece combustível ao funcionamento de suas máquinas.

Nessa lógica, sucumbidos ao abuso e diante de poucos meios alternativos de sobreviver, o empregado é submetido a completo controle por parte de seus empregadores. Enquanto social e economicamente acorrentados, esse indivíduo permanece preso às ordens e determinações de um dito “superior” e perdem sua autonomia. Sem poder de decisão, dependente e impedido de se esquivar dessa realidade, a condição humana é posta em xeque: não há liberdade, não há direitos e não há condições que minimamente cumpram o que propõem os direitos humanos. Novamente, o ser humano é reduzido a um objeto, desta vez, porém, é operado por um controlador que obtém domínio sobre sua vida e ações.

A partir dessas relações de abuso e domínio faz-se necessária a criação de mecanismos que as enfraqueçam e impeçam que novas sejam estabelecidas. Através da ação do Estado, por meio do aumento de postos de trabalho no setor formal da economia, faz-se necessária uma política que promova maior integração à sociedade, sobretudo imigrantes, principal grupo social explorado nos centros urbanos. Visa-se, desse modo, evitar que indivíduos se encontrem com poucas alternativas e fiquem em face da exploração. A sociedade civil deve, por sua vez, aumentar a divulgação do nome das empresas que se utilizam dessa mão de obra, através das mídias sociais. Tal ação contribuiria para que o consumo dessas marcas decrescesse e o sistema capitalista baseado no abuso da força de trabalho não mais se sustentasse. Além disso, seria também relevante a criação de ONG’s e instituições que atuassem na vigilância e denúncia de ocorrências de exploração. Dessa forma, portanto, mediante tais intervenções, condições seriam criadas para que seres humanos não mais fossem reduzidos a meras máquinas.

Giuliane Asahara
Criar Campinas