O "cale-se" que assombra a sociedade

Na Inquisição Medieval, as autoridades católicas fizeram de tudo para aumentar seu poder, até mesmo julgar e condenar à morte quem fosse contra seus ideais. Hoje, na era da informação, o ato de inibir a liberdade de expressão acontece de forma velada. A censura está enraizada na sociedade, tanto é, que esteve presente não só nas ditaduras, mas também nas democracias.

Na época de 70, os "Anos de Chumbo" do Brasil foram considerados o período mais repressivo da ditadura militar no qual qualquer tipo de oposição política era suprimida. Nos campos da cultura e da imprensa, cerca de 450 peças de teatro, 200 livros e mais de 500 letras músicas foram vetados total ou parcialmente. Para fazer crítica a essas restrições, Chico Buarque e Gilberto Gil, na música "Cálice", pegaram a frase bíblica de Jesus e utilizaram uma leitura dupla com "Cale-se".

Desde 1948, a Coreia do Norte vive um regime comunista com sucessão dinástica que domina toda a vida política da população. Até hoje, esse país mantém armas nucleares para garantir a sobrevivência de seu regime, intimidando qualquer iniciativa que tente tirar o poder do líder Kim Jong-un. Lá não há liberdade de imprensa, o governo controla o aprendizado nas escolas e ensina todos a idolatrarem as personalidades da Dinastia Kim.

No século XXI, com a era digital, a maneira como a notícia é dissipada modificou. De certo modo, os grandes sites de busca tendem a disponibilizar notícias conforme o histórico de navegação de cada usuário. Sem o acesso a ideias divergentes, consequentemente, as pessoas acabam agindo de maneira alienada/automática. Assim, mais vulneráveis, a ponto de serem influenciadas até mesmo por notícias falsas, as pessoas chegaram a eleger o presidente Donald Trump e votar pela saída do Reino Unido da União Europeia.

Num mundo que convive com o efeito da censura, desde o século XIII, é preciso repensar se realmente vale a pena manter a inércia frente a essa situação. Pois, mesmo em regimes que deveriam garantir a liberdade de expressão, nota-se um "cale-se" de forma velada. Portanto, a população mundial deve deixar de agir automaticamente e lutar pela garantia da liberdade de expressão.

Marília Fontanézi Durval
Criar Franca